O Ciclo Opressor

O Ciclo Opressor

A história da opressão em nossa sociedade vem sendo perpetuada de geração em geração, uma consciência possessiva de mundo transmitida ao longo dos séculos. Na época em que vivemos, tudo é transformado em mercadoria, inclusive as pessoas, cujo valor é aquilatado de acordo com a sua capacidade de trabalho.

O processo opressor está diretamente associado à má distribuição da autoestima, às estruturas sociais e emocionais responsáveis por uma distribuição desigual de privilégios, uma realidade tangível, que vitimiza boa parte da humanidade – a famigerada luta de classes que, ora evidente, ora latente, está sempre presente no campo de batalha que é a nossa sociedade.  

Os meios de produção são a principal fonte desta tensão. Quem os detém, determina a exploração e a pobreza daqueles que possuem para sobreviver apenas a força de trabalho. A cultura religiosa, por sua vez, também tem um papel relevante neste processo de submissão. Sua influência contribui para criar um universo mítico, capaz de aprisionar a consciência do oprimido e vincular o seu destino à vontade de Deus.  

Uma significativa parcela de culpa também recai sobre o Estado. Através da aparelhagem governamental – forças policiais, mecanismos de burocratização e de políticas públicas –, a população, em especial os grupos minoritários e as classes menos abastadas, é mantida sob constante estado de submissão psicológica ou, quando não, de dependência econômica, indiscutivelmente o principal fator que leva a este estado de sufocação e angústia.

Outro instrumento de opressão é a autodesvalia. Sejam através de palavras claras, ou de gestos dissimulados, as crenças do opressor, acerca das limitações do oprimido, acabam se introjetando no inconsciente coletivo, como aquela mentira que, de tão repetida, acaba se tornando uma verdade inquestionável. Tal situação também gera um fenômeno curioso em que, muitas vezes, o próprio oprimido acaba buscando para si um modelo de vida idêntico ao do opressor, encerrando-se em um ciclo vicioso que o impede de lutar pela própria libertação.  

A opressão, conquanto, não é um tipo de violência capaz de afetar a integridade física das pessoas, como a repressão. Seu dano é de caráter, sobretudo, subjetivo, no plano das ideias, projetos e significados de vida. A chave para se libertar de tudo isso perpassa, necessariamente, por uma educação libertadora, formadora de indivíduos críticos e capazes de romper com este ciclo vicioso.   

O Ciclo Opressor
Voltar ao topo