Lampião: o inluencer das caatingas

Lampião: o inluencer das caatingas

Há 123 anos, no dia 4 de junho de 1898, no interior do estado de Pernambuco, nascia um dos personagens mais ricos e controversos que este país já produziu: Virgulino Ferreira, vulgo Lampião, um nome que até hoje causa polêmica. Para uns, herói-justiceiro, protetor do povo pobre do sertão. Para outros, bandido da pior espécie, perigoso e sanguinário. O fato é que Lampião conseguiu ser um ícone dos dois extremos, uma façanha dada a poucos, e que de certa forma justifica a curiosidade que o seu nome, até hoje, suscita nas pessoas.

Antes que você me acuse de homenagear o bandido mais procurado de todos os tempos, eu peço que você deixe o maniqueísmo de lado e foque no fato de que, entre estes dois extremos, há a história de um sertanejo flagelado, forjado nas caldeiras da Caatinga, da miséria, perseguido e sentenciado por uma espécie de derrotismo histórico.

Um homem de sangue nos olhos que, através do cangaço, conseguiu chamar a atenção do país inteiro para a importância de uma região que, há séculos, convivia com o descaso e o preconceito governamentais.

Talvez você não goste dele, mas o fato é que o Capitão Virgulino não construiu sua fama à toa. Lampião foi capaz de arregimentar uma legião de colaboradores – uma malha de informantes e mensageiros – numa época em que a telefonia ainda engatinhava no Brasil. Assim, construiu uma rede de comunicação tão grande que nenhum outro homem na região foi capaz de fazer igual – um verdadeiro mestre do network, uma figura lendária cujo nome, até hoje, povoa o imaginário popular com um cabedal de histórias verdadeiras e inventadas.

Virgulino Ferreira da Silva é considerado a segunda pessoa mais biografada das Américas, atrás apenas do argentino Che Guevara. Já foi notícia até no New York Times. Sua fama gira em torno de cifras milionárias, e há décadas movimenta indústrias como as da música, da literatura, do cinema e das artes plásticas. E se você pensa que essa influência econômica Lampião só conseguiu depois de morto, está enganado.

O arqui-cangaceiro era um líder influente, e detinha um poder enorme entre políticos, fazendeiros e até na cúpula religiosa. Era um articulador respeitado por sua capacidade de fazer transitar informações nos mais diversos círculos sociais, desde os mais nobres até os mais humildes. A simples notícia da sua presença já era capaz de influenciar a economia de toda a macrorregião, um verdadeiro influencer das Caatingas.

De tão poderoso, Lampião chegou a ser chamado de o ‘Governador do Sertão’, e até hoje ostenta o título de o ‘Rei do Cangaço’. Outra curiosidade sobre Virgulino, que talvez você não saiba, é que ele era alfabetizado, uma qualidade rara naquele tempo. Além disso, com suas roupas de couro e indumentárias exóticas, influenciou até a moda da região – um bandoleiro fashion, com estrela de estilista, considerado tão importante para o cenário insurgente latino-americano quanto os revolucionários Emiliano Zapata e Simón Bolívar, em que pese as suas devidas diferenças de atuação.

Hoje, portanto, os meus parabéns não vão apenas para o cangaceiro-chefe, mas, principalmente, para a região Nordeste, para a arte e para cultura brasileiras que, neste dia, através da saga do inesquecível Lampião, tem os olhos do mundo voltados para si.

Lampião: o inluencer das caatingas
Voltar ao topo